karnal

Venial Karnalidade

Vivemos a época da diversidade. E isso é ótimo como reconhecimento do valor de novas propostas, outras predileções no estilo de se conduzir a própria vida, novas maneiras de viver os afetos, enfim, um sem-número de escolhas a contradizer as teses retrógradas da monotonia existencial.

Mas há o outro lado. O senso comum, com a costumeira obsessão de rebaixar tudo ao nível simplório das inteligências medianas, criou uma grande confusão entre variações nos modos de vida e intercâmbio dos posicionamentos ideológicos. Resulta daí a crença de que qualquer tagarelice deve ser levada na conta de legítima manifestação. A justificativa para tais superstições é que o diálogo entre pessoas civilizadas deve se dar em tom de conversa de salão, sempre no limite requerido pelas almas mais sensíveis, aquelas que se ofendem até com brincadeiras inocentes.

Essa semente da concórdia brotou em solo fértil entre os adeptos da polidez social, e a nova árvore do conhecimento cresceu com tanto vigor que as ramagens atingiram os meios acadêmicos brasileiros, onde sempre há um sofomaníaco disposto a atender as demandas do grande público. Conectados aos tempos modernos, em que tudo o que é venal passa pela mídia, esses doutrinários das boas maneiras vendem uma imagem de estoicismo e superioridade de espírito, e arrebanham uma multidão de fieis dispostos a sacrificarem até mesmo a capacidade de reflexão intelectual para consumir o último produto mental em oferta. Bem treinados numa retórica carregada do jargão das ciências sociais, eles engendram uma logorreia saturada das mais comezinhas generalizações do prosaísmo cotidiano, articulam um palavrório sem profundidade intelectual, um fast food do festim filosófico, pronto a ser engolido por paladares rústicos e apressados em sentir o gosto purificador da boa informação e do equilíbrio emocional, imune aos dissabores do extremismo.

Leandro Karnal é hoje o maior representante dessa tendência. Dotado de certo carisma, uma figura elegante, performance realçada com algumas doses de bom humor, ele arranca fervorosos aplausos de uma plateia que parece pronta a aplaudir qualquer tolice que lhe sirva de alimento espiritual, sem maior exigência quanto ao valor nutritivo, desde que o tempero tenha um gosto aprazível. Basta assistir a alguns dos inúmeros vídeos disponíveis na internet, nos quais o famoso professor exibe erudição e charme na sua parolagem, onde propaga uma ladainha boba e singela, que não rompe as camadas mais externas dos problemas que se propõe a discutir. Uma arenga composta de frases feitas e alogias correntes, salpicadas aqui e ali por uma passagem literária, ilustrada com o nome de um personagem da literatura clássica, um escritor ou filósofo do cânone cultural, mas cujo cerne, para quem quiser procurar, revela-se completamente vazio, desprovido de qualquer consistência, seja filosófica, seja sociológica.

Num dos vídeos assistidos, ele lança invectivas contra a intolerância, a falta de recíproca, a dificuldade dos brasileiros de conviverem com quem expressa pensamento diferente dos seus. Seja no futebol, em religião ou política, lamenta ele, não há mais a boa troca pacífica de críticas.

A primeira coisa que surpreende um ouvinte mais atento a esse discurso é o fato de um acadêmico misturar três instâncias tão distintas umas das outras. As preferências no futebol são movidas por uma paixão. Não há o que explicar quanto aos motivos que levam um indivíduo a se bater pelo time A ou B, e creio que ninguém se preocupa muito com isso. A religião é a necessidade de uma pessoa de se agarrar a algo que ela acredita ser superior e que vai dar sustentação a sua existência. Discutir religião é pôr em risco toda a estrutura de conceitos sobre os quais a pessoa organiza sua vida. É por isso que muitos crentes não aceitam o menor vestígio de dúvida sobre suas quimeras. Se essa resposta tem muito de condicionamento emocional, também é certo que se origina de um instinto de sobrevivência, e assemelha-se à busca de um anteparo diante de um perigo ancestral: o medo provocado pela consciência do abandono num universo que não se consegue conhecer integralmente.

Já a política não é uma simples aventura inspirada no alvitre pessoal. Trata-se aqui de um caminho escolhido em função de um processo de aprendizado cultural no que concerne aos assuntos que condicionam a vida em sociedade. Diferente do futebol, onde as escolhas são emocionais, e da religião, onde os motivos são místicos e de natureza espiritual, na política, as opções são baseadas nas afinidades com os projetos políticos que os partidos representam.

Essa postura do professor traz implícito aquele estereótipo de que política não se discute. É uma sentença criada para que as tramas políticas sejam dadas como naturais, coisas de esferas inatingíveis para o cidadão comum, Trata-se, evidentemente, de retirar os temas políticos do debate em lugares públicos, e condicioná-los aos espaços previamente consagrados a esse fim, como as instituições e a academia, pois como se sabe, nesses ambientes só entram os juízos permitidos por quem está no comando.

O segredo do sucesso do Karnal é a habilidade de traduzir os aforismos mais corriqueiros para o jargão acadêmico. Seus ouvintes são aqueles indivíduos que não querem ir além da casca mais exterior dos fatos e buscam uma justificativa para as suas fraquezas intelectuais. Quando uma pessoa não encontra energia para apreender a complexidade da vida, sai à procura de alguém que legitime e valorize a superficialidade e os preconceitos das ideias prontas. Só assim é possível entreter-se em bate-papos descontraídos com os amigos, pois se sabe que todos os provérbios são válidos e merecem ser respeitados. E mais ainda, fica-se com aquela agradável sensação de estar contribuindo para a paz e a harmonia dos costumes.

Naturalmente que não há o que se preocupar com o fenômeno atual das celebridades acadêmicas. A Karnalidade é venial; não passa de uma pregação para convertidos, seres ingênuos que confundem pabulagem com sabedoria, impressão pessoal com raciocínio, e encaram a busca do conhecimento como uma reunião de camaradagem, onde as nuances subjetivas da fala já são suficientes para atrair ouvintes predispostos ao êxtase da cumplicidade.

No entanto, sempre é bom acrescentar que as inferências da razão não se prestam só para entretenimento no happy hour. Elas são a causa do arrebatamento das atitudes e a justificativa das posições que o sujeito vai assumir na vida, assim como o fundamento dos interesses a serem defendidos. Até aí, nada demais. O problema é que entre esses encargos que as pessoas assumem na vida está a função de governar as outras pessoas e reger os destinos de todo mundo. E mesmo no caso de quem se abstém de pleitear altos postos nas instâncias administrativa e legislativa, suas assertivas podem servir de apoio para aqueles que assumem o controle do poder e determinam os rumos de uma sociedade. Conclui-se daí que o busílis não é a diferença das ideias, e sim os interesses que elas legitimam.

Demonstrar apreço por uma pessoa é um ato de civilidade elogiável em qualquer circunstância, mas não se pode cometer mais um equívoco, muito comum nos dias de hoje: considerar uma pessoa não é a mesma coisa que acatar como válido qualquer disparate que ela proferir. Respeita-se a integridade moral e física da pessoa discordante, mas sem a necessidade de levar a sério uma baboseira descabida só para manter a pose de cortesia.

A tolerância é antes de tudo uma estratégia de preservação mútua, mas é bom ter sempre em mente que as interações humanas vão muito além do papo furado de uma mesa de bar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>